DÁ INSTRUÇÃO AO SÁBIO, E ELE SE FARÁ MAIS SÁBIO AINDA; ENSINA AO JUSTO, E ELE CRESCERÁ EM PRUDÊNCIA. NÃO REPREENDAS O ESCARNECEDOR, PARA QUE TE NÃO ABORREÇA; REPREENDE O SÁBIO, E ELE TE AMARÁ. (Pv 9.8,9)

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Pergunta: Quem era Melquisedeque? Como entender esse personagem que a Bíblia diz ter existido "sem genealogia"?



Melquisedeque, personagem histórico citado como rei e sacerdote nas perícopes de Gênesis 14.18-20 e Salmos 110.4, é interpretado em Hebreus 5.6,10; 6.20 e 7.1-10 conforme os midrashim (comentários) hebraicos e os tipos bíblicos. 

No primeiro texto, Abraão encontra-se com Melquisedeque após a vitória contra quatro reis no campo de vitória. Melquisedeque, rei e sacerdote do Deus Altíssimo, cumprimentou Abraão e o abençoou, recebendo dele o dízimo de todos os despojos. Aqui os leitores judeus são convocados à reflexão a respeito da superioridade de Melquisedeque sobre o pai das bênçãos salvíficas e fundador da nação israelita, Abraão (Hb 7.4, 6-8). 

No segundo excerto, o Messias-Sacerdote procede de outra estirpe sacerdotal claramente oposta à levítica – a ordem de Melquisedeque. Nada é dito a respeito dos antepassados de Melquisedeque, de seu nascimento ou de sua morte (Hb 7.3). Ele é uma figura histórica, mas enigmática. 

Todavia, para o hagiógrafo não é tão importante os poucos fatos a respeito dessa figura misteriosa, mas o significado cristológico e salvífico que os relatos assumem. É inegável que o autor aos Hebreus tem como pressupostos, em sua exegese, a inspiração das Escrituras, a pessoa de Jesus como chave para a interpretação do Antigo Testamento (Lc 24.44), e o entendimento de que a história do povo eleito é fonte da revelação divina. 

A salvação, portanto, não é fuga da realidade e da temporalidade, mas realiza-se no plano histórico e cotidiano. Deus não somente se revela no plano religioso como também na esfera pública. Aprendemos com o anônimo autor, que as ações de Deus ultrapassavam os limites da religião judaica, assim como excedem as fronteiras do cristianismo contemporâneo. Abraão fora chamado de sua religiosidade para viver de conformidade com a revelação histórica. 

Recorre o escritor à etimologia do nome Melquisedeque para relacioná-lo imediatamente ao Messias, que também é chamado de “rei de justiça” e “rei de paz” (cp. Hb 7.2; Jr 23.6; Is 9.5). A seguir, interpreta, à maneira rabínica, os dois gestos em relação a Abraão: o dízimo recebido e a bênção dada ao patriarca (Hb 7.3-9), evidências da preeminência de Melquisedeque  sobre Abraão e seus descendentes, os levitas. 

Observe, no entanto, que não é Jesus que é feito à semelhança de Melquisedeque, mas este à semelhança de Cristo (v.3). O primeiro é o antítipo. O segundo o tipo. O tipo revela-se no Antigo Testamento, mas o antítipo em o Novo. Melquisedeque, assim como Adão, era “figura daquele que havia de vir” (Rm 5.14). Logo, os tipos são uma forma de profecia. A profecia consiste numa predição verbal, ao passo que o tipo é a predição feita pela correspondência entre duas realidades — o tipo e o antítipo. O tipo contém traços de predição, descrição e simbolismo. Ele antevê e chama atenção para o antítipo. O tipo é uma sombra que indica outra realidade (Cl 2.17). O tipo não é fantasia humana; ao contrário, responde ao programa da revelação estabelecida por Deus desde o princípio.

  • Esdras Costa Bentho é mestrando em Teologia pela PUC – RJ, pedagogo e autor das obras: Hermenêutica Fácil e Descomplicada e A Família no Antigo Testamento, ambos editados pela CPAD.
  • Publicado no jornal Mensageiro da Paz, maio 2012, coluna A Bíblia tem Resposta, p.17.

4 comentários:

Viver, Aprender e Ensinar disse...

Que a Paz do Senhor seja contigo.
Eu li esta mensagem sobre Melquisedeque. E, corrija-me se estiver errada, sobre o tipo e antítipo; bem entendo que o prefixo anti significa não, contrário.
Eu li e entendi o seguinte:
Melquisedeque era um ' tipo ' de Cristo, por isso que não há uma genealogia dele. Neste caso, Abraão teve uma revelação de Cristo. E antítipo é a revelação profética cumprida, ou seja, Jesus Cristo. Seria esta a resposta que Jesus deu aos fariseus em João 8:57.
Eu não tenho o esclarecimento bíblico como o senhor tem. Espero pela resposta de correção. Obrigada.

sylasneves disse...

Olá pr. Esdras,

A Paz do Senhor!

Creio que terei a oportunidade e o privilégio em conhecê-lo pessoalmente, na EBO de Conceição da Barra - ES. (Evento onde também estarei ministrando).

Enquanto o dia não chega, vou seguindo o seu blog e apendendo com os seus ricos textos.

Que Deus continue vos abençoando!

Pr. Sylas Neves
Assembleia de Deus - BH / MG
www.sylasneves.blogspot.com

António Jesus Batalha disse...

Olá meus queridos irmãos. Paz e graça de Jesus.
Parabéns pelo blog muito edificante. Eu acredito que; crescemos quando lemos, quando compartilhamos. Aprendendo uns com os outros, crescemos na graça e conhecimento da Palavra.
Aproveito a oportunidade para compartilhar também meu blog. Contém ensinos, de crescimento, edificação e exortação, muitos poemas e algumas músicas tudo dentro do carisma evangélico.
Ficarei feliz por vossa visita e muito mais ainda se nos seguir.
Que Deus continue a abençoar-vos ricamente. Antonio Batalha.

Fruto do Espírito disse...

Que a paz de Cristo, inunde o seu coração.

Como é bom saber que ainda há homens compromissados com o Evangelho de Cristo, de caráter e com temor.
Seu post está excelente, quero de antemão parabenizá-lo e dizer que é muito bom saber que fazemos parte do Corpo de Cristo.

Deixo o convite para que visites o meu cantinho:
http://frutodoespirito9.blogspot.com/

Em Cristo,

**Lucy***


P.S. Estou indicando o blog de um irmão muito querido.
Mensagens atuais, algumas polêmicas, porém abençoadoras. Vale a pena conferir, fique a vontade para comentar:

http://discipulodecristo7.blogspot.com/

TEOLOGIA & GRAÇA: TEOLOGANDO COM VOCÊ!



Related Posts with Thumbnails